Carolina Amaral

Licenciada em Teatro pela ESMAE, no Porto, frequentou a ESTC, em Lisboa e prosseguiu estudos no CNSAD, Conservatoire National Supérieur d’Art Dramatique, em Paris. 

Trabalhou com Beatriz Batarda em “Todo o Mundo é um Palco”; Marco Martins em “Actores”, “Todo o Mundo é um Palco” e “Rosencrantz e Guildenstern Estão Mortos” de Tom Stoppard; Angélica Liddell em “The Scarlet Letter” a partir de Nathaniel Hawthorne; Nuno Cardoso em “Veraneantes” de Maksim Gorki, “O Misantropo” de Molière e em “O Mundo é Redondo”; Miguel Loureiro em “Frei Luís de Sousa”; Sara Carinhas em “Limbo”; João Pedro Vaz em “A Arte da Comédia”, de Eduardo de Filippo e com também Nuno Preto em “Retábulos”, a partir de Cervantes e Prévert; Marcos Barbosa em “O Conto de Inverno” de William Shakespeare e no monólogo “Um Pontinho Entre os Olhos” de Jacinto Lucas Pires; Carlos J. Pessoa em “Alice” a partir de Lewis Carroll e “O Regresso de Ulisses” a partir de Homero, tendo trabalhado ainda com Christiane Jatahy na performance “Moving People” no contexto de Artista da Cidade 2018 e no âmbito da Union des Théâtres de L’Europe com Lydia Koniordou em “Antigone”, de Sófocles, no Teatro Antigo de Delfos. 

Em cinema trabalhou com Margarida Gil, Edgar Pêra e Rodrigo Areias.

Em televisão participou nas séries de época “Terra Nova” de Joaquim Leitão, “Três Mulheres” de Fernando Vendrell e “Vidago Palace” de Henrique Oliveira e em “Sara”, de Marco Martins.

Na sua formação artística salienta os encontros com Lydia Koniordou, Meg Stuart, Christiane Jatahy, Polina Klimovitskaya, Gisèle Vienne, Tatiana Frolova, Nada Strancar, Thomas Ostermeier, entre outros. 

De maio a outubro de 2017 desenvolve o seu primeiro projeto artístico enquanto autora “Stella Matutina”.